Pular para o conteúdo principal

Quanto ao simbolismo!


O que me levou a escrever sobre tal assunto nesse espaço, é o fato, de ouvir pessoas dizendo que o simbolismo é crendice, ou pertinente exclusivo a uma crença popular vazia, portanto, caindo no folclore, superstição, ou em um "misticismo" pejorativo. Todavia, como futuro estudioso das pedagogias dos símbolos religioso nas escolas, venho, doravante, propor o contrário. Em uma aula de crisma, por eu pertencer simbolicamente uma base católica, li um livro que questionava alguns símbolos religiosos e políticos, alegando serem excêntricos ao cristianismo. Um desses símbolos dirigia uma alusão a cruz de salomão ou Davi, não me lembro bem. Alegando ter seus usos em centros espíritas, portanto, sua utilidade não seria cristã, e sim diabólica ou satanista. Concomitante a essa aula, eu frequentava terreiros de umbanda, pois carrego uma afinidade com religiões de matrizes africanas. Onde alguns pretos(as)  velhos(as) traçavam símbolos desses gêneros no chão(ponto riscado). Contudo, me sentir acuado com tal questão. Mais adiante, em uma procissão(simbolismo católico) percebi um reverendo que ao se colocar de costa, trazia em sua veste um desses símbolos questionado, naquela aula, na crisma. Sendo assim, indaguei: como pode tal reverendo usar tal símbolo, sendo que o mesmo fora questionado? Outro ponto pertinente é que ao navegar pela internet aos finais de anos, assistir postagens do tipo: "com qual cor de roupa pretende passar o fim de ano? Sendo que cada cor, referia a uma simbologia correspondente a paz, esperança, azar e etc. No bojo dessas postagens, deparei com questões contrárias, alegando que tal cor não apresenta nem um efeito, pois Deus era o principal elemento desse fim e início de ciclo. Boa parte desses contrários pareciam oriundos de religiões cristãs, sobretudo, católicas. Vale ressaltar, que essa última se encontra no plural, pois há diversos catolicismos, que não vem ao caso dissertá-los nesta ocasião. Voltando ao simbolismo, com base em tais afrontas, comecei a questionar: o início e fim de ano, marcado e comemorado via um calendário é simbólico, portanto, só existe se é significado. Idem para a ideia de Deus(as). Isso é histórico e cultural! Sendo intrínseco à todas religiões, não se restringindo, apenas às de matriz judaico-cristã. Outra questão pertinente é que o cristianismo é carregado de simbolismos. Como por exemplo, na quaresma, em que as cores roxas predominam, como no natal as cores vermelhas, e assim de acordo com a celebração da Santa Madre Igreja. Como exemplo, em hiatos de domingos, há uma cor diferente na estola do padre, sendo que essa cor é pertinente a tal celebração. As batinas e as túnicas são composta de cores, número de botões, cada qual com seus significados.  Doravante, comecei a indagar, sobre o porque de parte de alguns cristãos, questionarem o uso de cores no final do ano, alegando não ter nenhum efeito. Logo; porque não questionam, então, o fato dos padres usarem tais roupas e tais simbologias; como as cores das estolas, a uva, o cálice, a cruz e etc? Em resumo: seria crendice desses reverendos?! Axé!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Preto-Velho Pai Caetano e a antiga Vila Rica

Hoje,13 de Maio, comemora-se simbolicamente a figura emblemática dos (as) negro (as) velhos (as) -  nobres entidades de brilho singular nas religiões de matrizes africanas, em especial, nas Umbandas. Assim sendo, pensando na antiga Vila Rica, escrevo uma homenagem há um negro velho, que hoje habita o "cosmo", mas no "mundo físico" vivera no século XVIII nesta antiga Vila perseguido, entretanto, pelas autoridades da época. Seu nome foi e continua sendo: "Pai Caetano". Negro oriundo de Angola, que residiu, se não me engano, em dois lugares nessa Vila: o primeiro, encontra-se hoje  o distrito de São Bartolomeu  e, o segundo, o atual bairro "Taquaral". Tinha fama de "benzedor", pois carregava hierofanias simbólicas de magia e fé; dentre elas: "patuás" (elemento usado também pelos negros "mandingas"); rezas em latim (parecia ser alfabetizado); restos secos de animais; crucifixo e etc... Sua performance de rezador e "…

O que são os (as) Caboclos (as)!

Nas religiões de matrizes africanas, em específico, nas Umbandas, Juremas e "Candomblés de caboclos", os caboclos são entidades reverenciadas. Caboclos(as) são entidades/espíritos/encantados da natureza com características dos habitantes de antigas etnias indígenas que habitaram o Brasil e a América na época da colonização. No caso da Umbanda, dentro de suas falanges, aludindo ao falangeiro, como exemplo, na linha de Oxóssi o caboclo "sete flechas". Nos candomblés, sobretudo, de nação Angola os/as caboclos/as são reverenciados como os "donos da terra", encantado na força de um Inksi/Orixá como o "caboclo pedra-preta" - foi uma das entidades do babalorixá João da Golmea.

"Giras de caboclos (as)" As giras e festas de caboclos/as são recheadas de cantigas, algumas em português, com elementos da língua tupi e bantu; bebidas da entidade e dança. Quando incorporados trazem arquétipos de antigas comunidades indígenas, dançando com lanças, fl…
Chuva, arco-íris e a divindade Òsùmarè/Oxumarê

Nos candomblés afro-brasileiros a divindade vodum da antiga Daomé (atual Benin) faz sua dança no arco-íris chegando na terra através da combinação entre chuva e raios de sol. Nas nações Jeje é conhecida como o vodum Dangbe, a serpente sagrada (macho-fêmea). Em Jeje-nagô é uma espécie de Vodum-Orixá. Nas nações de ketu traz o nome de Òsùmarè (orisá), divindade masculina que representa o arco-íris e uma cobra envolta que carrega água do rio aos céus e água dos céus ao rio (terra). Amigo das divindades Sangò(fogo), pois carregou água do rio ao palácio desse Obá(Rei) e de Orumilá(sabedoria/pai dos segredos e dos destinos), pois é conhecido também como Babalawô(pai do segredo) do Orun. Na nação angola carrega uma relação com o Inksi Hongolo ou Angorô, também representa uma cobra colorida e o arco-íris! Nas Umbandas, em algumas casas, traz uma representação com a divindade bantu-jeje-nagô, e, por outro lado, outras casas a associam como uma Oxu…